O K-pop é tão popular no mundo que seus artistas, liderados por bandas como BTS, NCT e BLACKPINK, representam trilhões de dólares por ano do PIB da economia sul-coreana. Tornou-se uma onda que afeta várias esferas da economia. Um estudo do Hyundai Research Institute descobriu que o grupo BTS é a razão pela qual uma em cada treze pessoas visitou o país em 2017. Agora, o estudo adiciona grupos como SHINee, Girls ‘Generation e BIGBANG que por muitos anos têm tornado a Coreia um dos centros de entretenimento do mundo.
Considerando os grandes eventos e a importância deles na expansão do K-pop em todo o mundo, é inegável a influência que o k-pop teve e tem na moda. Quanto a isso, em termos de exposição, o K-pop atualmente tem mais notoriedade como cenário da moda do que o Harajuku, de origem japonesa. Se há uma coisa que é importante resgatar em relação à moda promulgada pelo K-pop, é seu discurso inclusivo que incentiva a expressão pessoal. Um discurso que, como já sabemos, teve seu início nos movimentos rebeldes da juventude coreana do século passado.

Graças a essa onda coreana e ao crescimento dos ídolos do K-pop, o país estava atraindo investidores globais que iriam inserir moda em shows e séries de televisão. Para fortalecer as coisas, as mesmas editoras e marcas de moda decidiram localizar seus esforços de publicidade para capturar esse nicho de mercado e aproveitar a mesma característica hiperconsumista dos coreanos.

Não é incomum ver ídolos do K-pop vestindo roupas extravagantes, juntamente com acessórios e cores que suportam esse visual. Pelo que se pode perceber, todos esses grupos têm um estilo que além de se mostrar no palco, também está fora dele. Hoje, existem programas de televisão e editoriais dedicados exclusivamente à moda aeroportuária devido à frequência com que os ídolos viajam pela Ásia e pelo mundo. Um lugar que muitas pessoas frequentam da maneira mais confortável possível acaba virando uma passarela de estrelas. É por isso que esses artistas coreanos são tão importantes para a indústria da moda. A exposição que podem gerar para suas peças de moda não se limita ao desfile, mas também ao seu dia a dia. Não é incomum ver marcas como Louis Vuitton, Prada ou Balenciaga patrocinando esses tipos de artistas para entrar no mercado coreano.

Por esse motivo, os ídolos do K-pop usam roupas cuidadosamente selecionadas por estilistas quando viajam, a fim de incentivar a compra de um estilo ou marca. Esse grupo de estilistas acaba sendo tão importante que muitos viajam com os ídolos. Devido às constantes mudanças nos conceitos da moda na indústria, a equipe de estilistas trabalha para equilibrar as preferências dos ídolos, as tendências em constante mudança e os contratos com as marcas.

Esse detalhe anterior é bastante curioso, dada a falta de autonomia que os artistas parecem ter dentro da indústria de entretenimento coreana. De qualquer forma, dada a importância das apresentações e roupas visuais, estéticas e atraentes, marcas internacionais abriram suas portas para esses artistas. Como resultado, as marcas internacionais se estabeleceram como patrocinadoras mais importantes do setor de entretenimento do que os próprios designers coreanos. A título de exemplo, o grupo BIGBANG conseguiu promover importantes marcas mundiais como FILA, Uniqlo e The North Face.

A promoção da marca não se limita a shows ou aeroportos. Existem ídolos com maior reconhecimento do que outros no mundo do K-pop e da moda que conseguem ganhar mais contratos de patrocínio individuais. G-Dragon do BIGBANG e SeoHyun do Girls ’Generation são desse tipo de ídolos que em seu momento representaram a Coreia em eventos como a London Fashion Week ou a Paris Fashion Week.

Durante essas datas, a seleção de peças de vestuário foi diversa. Eles usavam marcas ocidentais populares, como Burberry, mas também marcas menos reconhecidas, como Junya Watanabe. Toda essa promoção para atrair a atenção tanto dos amantes da moda que seguem o K-pop, quanto daquele grupo de pessoas que estão mais perto de serem chamadas de “obcecadas por ele”.